Aldeias Serranas

 







Casal Novo

Coordenadas GPS: Latitude: 40º05'15.75'' N - Longitude: 8º16'53.21" W

Rede das Aldeias de Xisto

Casal Novo A aldeia desenvolve-se em torno de uma escadaria íngreme, que é também o arruamento príncipal, e que é ladeado de inúmeras casas. A escadaria conduz a dois importantes espaços: as eiras. Daqui se pode apreciar uma magnífica vista sobre vila da Lousã.

As casas encontram-se, de uma maneira geral, muito bem cuidadas, contribuindo para a harmonia visual do espaço.

Casal Novo O abandono do Casal Novo pelo seu último residente foi um episódio cheio de ironia: no dia em que deixava a sua terra de malas carregadas, cansado de lutar por conseguir estrada e luz para a aldeia, chegavam as camionetas para instalar a electricidade.

Pensa-se que a designação de “casal” tenha origem na época medieval. Em vários pontos do país surge o “casal”, um par de homem e mulher identificados com a casa onde moram, estendendo-se a designação à povoação que se vai desenvolvendo e crescendo.

O nome “Casal Novo” é muito frequente como anunciador da nova dinâmica de uma aldeia iniciada talvez por um casal que, fugindo da severa sociedade medieval se vem instalar na serra. Estima-se que o povoamento das aldeias se tenha iniciado no século XVI.

Espaços públicos: eiras e fonte.




Talasnal

Coordenadas GPS: Latitude: 40º06'31.07'' N - Longitude: 8º13'04.18" W

Rede das Aldeias de Xisto

Visto de longe, com o Trevim como fundo, o Talasnal é um quadro fantástico.

É uma aldeia bem conservada sendo uma das que apresenta maior movimento turístico aos fins de semana. Dois lagares de azeite tradicionais movidos com a força da água, são pontos de interesse. Alguns percursos pedestres passam pelo Talasnal.

A actividade curiosa dos Neveiros era característica da serra da Lousã.

Estes homens transportavam para Lisboa, desde o século XVII, gelo feito com a neve armazenada em poços, como os de Santo António das Neves no cume da serra. A neve era conservada até ao verão e envolvida em fetos ou palha para ser transportada em carros e mulas de almocreves. Com a revolução industrial e a adopção da produção artificial do frio, esta actividade foi extinta.

Espaços públicos: duas eiras, fonte

Outros espaços: bar, restaurante, loja.




Chiqueiro

Coordenadas GPS: Latitude: 40º05'12.058'' N - Longitude: 8º13'55.24" W

Rede das Aldeias de Xisto

Chiqueiro É a mais pequena aldeia de entre as sete.

O Chiqueiro possui currais e pastor, sendo uma das poucas aldeias que tem ainda gado caprino. Por se encontrar num ponto elevado tem uma panorâmica privilegiada. Supõe-se que tenha sido a mais importante aldeia serrana, dada a existência de sepulturas na capela e pelo facto de ter possuído pároco residente. Alguns percursos pedestres passam pelo Chiqueiro.

Espaços públicos: capela, tanque e fonte.

Outros espaços: Parque de Lazer do Chiqueiro (500m).






Candal

Coordenadas GPS: Latitude: 40º 04' 50.78'' N - Longitude: 8º12'12.15" W

Rede das Aldeias de Xisto

Candal É a única das sete aldeias com acesso pela estrada nacional, o que lhe confere uma configuração diferente da que tinha há cem anos atrás, com casas não construídas em xisto. Pelo seu fácil acesso possui um papel privilegiado no desenvolvimento de actividades lúdicas na serra.

Desenvolve-se no sentido vertical, acompanhando a encosta. Do topo tem-se uma espantosa vista panorâmica da aldeia e sua envolvente.

É atravessada pela ribeira do Candal cujo som desperta os sentidos, transformando recantos de xisto em momentos de encontro com a natureza.

Espaços públicos: eira, capela, fonte e lavadouro público.






Cerdeira

Coordenadas GPS: Latitude: 40º 05' 45.77'' N - Longitude: 8º 13' 04.71" W

Rede das Aldeias de Xisto

É atravessada pela ribeira da Cerdeira que através de uma pequena ponte dá as boas vindas ao visitante. É servida por um único acesso. À entrada há um pequeno parque de merendas e um salão onde no verão se fazem festas com chanfana e concertina.

A forte acidentalidade do terreno cria recantos pitorescos em que o privado se sobrepõe ao público e dá a esta aldeia características particulares que a tornam muito inspiradora.

 É talvez a aldeia onde mais se sentem os laços com a natureza, sendo favorecida em termos de diversidade de fauna e flora. Da parte superior da aldeia têm-se uma panorâmica magnífica da serra que juntamente com a solidão e o carácter intacto do local permitem momentos de reflexão.

Os moinhos e sistemas de rega construídos ao longo da ribeira e o desenvolvimento espontâneo da aldeia são testemunho da apropriação natural da terra pelo homem.

 Espaços públicos: capela, casa de convívio, zona de merendas e fonte.

Outros espaços: atelier de escultura.



 

Vaqueirinho

Coordenadas GPS: Latitude: 40º 04' 45.14'' N - Longitude: 8º 13' 24.54" W

Aldeia afastada da estrada nacional e próxima do Catarredor. Edificações dispostas de modo compacto com passagens estreitas e difíceis.

Existia muito gado nesta aldeia, talvez daí o seu nome. Envolvente de castanheiros, cerejeiras bravas e muitas borboletas.

 Algumas aldeias da serra da Lousã, nomeadamente o Vaqueirinho e o Catarredor, têm acolhido novos habitantes provenientes de vários locais da Europa, que encontraram nestes locais a tranquilidade e qualidade de vida que dizem não trocar por nada.

Espaços públicos: eira e fonte.

Outros espaços: bar.

 

 

Catarredor

Catarredor No conjunto das sete aldeias é a de maior dimensão. A aldeia apresenta uma forte unidade de conjunto. É atravessada por alguns trilhos pedonais importantes. Ponto relevante para as actividades de recreio na serra. Miradouro natural sobre a serra e aldeias. A população jovem dinamiza eventos culturais. Os festejos de verão incluem espectáculos de música.

 Pensa-se que o nome Catarredor se atribui ao facto desta aldeia se situar num ponto alto, de defesa, e proporcionar uma vista abrangente e de grande beleza: "cata-redor", ou seja, "olha em redor".

Espaços públicos: eira, capela e fonte.

Outros espaços: bar.


 

Partilhar no Facebook